Método Hestia

Quando ouvimos falar de um método, é coerente desejarmos saber como ele surgiu, e quais são os seus princípios. O surgimento do Método Hestia esta representado na sua essência, nos sentimentos, nas observações e na insatisfação cada vez maior, da realidade do ensino e da pesquisa brasileira fora do modelo moderno desenvolvido pela Hestia. Este processo foi iniciado, através das percepções de um dos Cofundadores da instituição, ainda muito jovem.  Ele entrou ainda criança, em conflito com o sistema convencional de aprendizado da época. Suas expectativas, por exemplo, sobre a sua primeira vivência no Laboratório de Ciências da sua escola, eram muitas, mas para sua frustação, a primeira visita ao laboratório foi uma demonstração da Professora sem envolver diretamente os alunos.

A experiência, lembrou ele, era dar cor a uma rosa branca, utilizando uma solução aquosa de azul de metileno. Na época ele pensou: porque cada grupo não tem uma rosa e a solução, para realizar e sentir a experiência? Ele tinha 11 anos, e este acontecimento definitivamente não atendeu sua necessidade de aprendizagem, de desenvolver e fixar o conhecimento orientado sim por um Mestre, mas sem intermediários no planejar, executar e registrar os mecanismos daquela reação. Além disso, a forma de agrupamento das pessoas no laboratório e nas escolas, onde todos tinham que aprender no mesmo tempo, um conteúdo sem chance de personalização, e a competição entre todos para demonstrar que aprenderam ou que aparentaram que aprenderam, era uma insanidade completa para ele.

Uma de suas grandes necessidades escolares era receber e compartilhar ideias, mas o meio que ele estava inserido era improprio para debater e aperfeiçoar, para se orientar e reorientar intuitivamente como em ruas fáceis de uma cidade planejada. Mais tarde, este estudante que hoje é o Professor e Doutor Etney Neves, se deu conta que estava inserido em uma estrutura criada por tentativas e erros, sem um planejamento que envolvesse de fato o Professor, o aluno, suas famílias e seus círculos sociais, e as instituições que compõe a sociedade. Tudo tinha sido desenvolvido por cópias de modelos estrangeiros, e por adaptações mínimas para criar padronizações aleatórias ao longo da construção do país, imitando e os utilizando sem nunca construir efetivamente um modelo de ensino moderno e comprometido com a cultura que se formou no Brasil; e com a necessária igualdade entre todos, considerando ao mesmo tempo a singularidade de cada ser humano, como também a fundamental interligação entre a sabedoria do indivíduo e a dos seus semelhantes, comprometidos com as suas histórias comuns, familiares, e com a construção de um projeto brasileiro contínuo do presente e do futuro, que perseguisse uma identidade de povo que se ama e que se dedica ao autoconhecimento e ao ensino formal com domínio filosófico, sociológico, cientifico, tecnológico e criativo, ao ponto de inovar preservando a integridade dos demais povos e do planeta Terra.

Na sua base e resumidamente, o Método Hestia descreve os princípios éticos e morais de coexistência entre Profissionais, sociedade e instituições, dentro da Associação Nacional Hestia, e por seus Associados nas suas relações interpessoais e profissionais internas e externas a instituição, fundamentados por um código de honra e apoiados por ferramentas sofisticadas, mas de simples operacionalização, dentro do justo e do imparcial no campo do ensino formal e das boas práticas na investigação científica, tecnológica e consultiva.